quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

... momentos 2009

.

video

«Enquanto houver estrada para andar
A gente vai continuar
Enquanto houver estrada para andar
Enquanto houver ventos e mar
A gente não vai parar
Enquanto houver ventos e mar...»
[Letra e música de Jorge Palma - 1982]
.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Reflexão II - III Entrefitas: Contacto

.
I. Se tivesses que traduzir este em filme em três palavras, quais escolherias? As três palavras que escolhemos para definir o filme foram: dúvida, persistência e fé.
.
II. Escolherias alguma frase deste filme como máxima? Qual e porquê? A frase que nos marcou especialmente foi algo parecido com isto: "se neste universo tão grande só existíssemos nós, seria um grande desperdício de espaço".
.
III. “- Reverendo Joss, em que é que acredita? - Como pessoa de fé, rejo-me por leis diferentes das da Dra Arroway, mas temos os mesmos fins. A busca da verdade.” Achas que ciência e religião podem viver lado a lado? A ciência e a religião podem conviver lado a lado, ambas procuram a verdade, sendo que, por vezes, a primeira não consegue avançar mais e só pela segunda consegue explicação para alguns factos.
.
IV. “Não achas que tiveste essa experiência porque uma parte de ti a necessitava?” - perguntou Ellie ao reverendo quando este lhe falou da sua experiência de Deus. Achas que a fé é algo que nasce de uma necessidade? O homem é capaz do melhor e do pior... com as suas capacidades poderia viver num mundo maravilhoso, mas na busca do proveito, da vaidade, do reconhecimento próprio e egoísta perde-se... sente-se só....revolta-se contra tudo e contra todos e não percebe que o outro que está ao seu lado é o meio para ser feliz. Pelo outro e no serviço e amor ao outro encontraria a verdadeira felicidade.
.
V. “Vocês são uma espécie interessante… Uma mistura interessante…capaz de sonhos tão belos… e dos mais horríveis pesadelos. Sentem-se tão perdidos, tão isolados, tão sós… Só que não o estão. Segundo as nossas pesquisas, a única coisa que torna este vazio suportável é… os outros”. Concordas com esta afirmação de Ellie sobre a viagem do pai no tempo? Porquê? Não estará Ellie a falar de Deus e não se apercebe? De nós enquanto filhos únicos, imensos, pequeninos, mas tão importantes do Pai?
.
VI. “Foi-me dado algo maravilhoso, algo que me mudou para sempre. Uma visão do universo que nos diz incontestavelmente que minúsculos e insignificantes, que raros e que preciosos somos todos nós. Uma visão que fazermos parte de algo maior que nós, que nenhum de nós está só. Gostaria de compartilhar com outros. Gostaria que todos, nem que só um momento pudessem sentir esse temor respeitoso, essa humildade e essa esperança.” Como comentarias o discurso final de Ellie? O discurso dela faz lembrar a parábola da ovelha perdida que o pastor vai procurar, independentemente de possuir um rebanho tão grande guardado e a vontade e força dos profetas e apóstolos a anunciar a mensagem de Deus, também eles não conseguiam calar o que sentiam. .
.
VII. Com qual das personagens te identificas mais? Como somos um grupo não nos identificámos apenas com uma personagem. A maioria reviu-se na Ellie, na procura de explicação para tudo o que nos rodeia, outro identificou-se com o Reverendo Joss e ainda outro com o amigo cego de Ellie que na queda da máquina nunca desistiu de a tentar ouvir, mesmo quando todos pensavam que estaria morta.
.
.
[8º ano de catequese I Polo Nª Srª de Saúde I Paróquia de Alhadas]
.

sábado, 26 de dezembro de 2009

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Natal do Senhor!

video

«E a Mãe estava espantada

com aquela troca que via:

em Deus: o pranto do homem,

e no homem: a alegria,

o qual num e no outro

tanto diferia.»

[São João da Cruz]

quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Mensagem de Natal do Geral da Ordem, Pe. Saverio Cannistrà

«O povo que andava nas trevas viu uma grande luz; terra habitada de profunda escuridão uma luz começou a brilhar». Com estas palavras do profeta Isaías, o Superior Geral Saverio Cannistra, dirigiu sua saudação de Natal para toda a família do Carmelo Teresiano.
Na mensagem de Natal do Padre Geral da Ordem dos Carmelitas Descalços convida a todos para começar a ouvir a voz do Anjo que anuncia o cumprimento das promessas de Deus de uma forma que ultrapassa nossos mais belos sonhos nos braços Maria e José, a encontrar um menino envolto em panos e deitado numa manjedoura. Boas notícias que transmite o amor de Deus para o «ponto de tomar a nossa carne, partilhando a nossa vida existe fora do nosso mérito.»
Padre Geral Saverio Cannistrà, citando as palavras de fogo e Santa Teresa, lembra que somente nós podemos encontrar Cristo feito homem «o sentido da nossa vida em comunhão com Deus: «Para agradar a Deus e para nos fazer grandes doações, seja pela mão quer esta mais sagrado da humanidade, em quem ele se deleita "sua majestade". Através dessa porta vamos nós, se queremos nos mostrar a majestade soberana grandes segredos.» [Santa Teresa de Jesus, Livro da Vida].

Um Santo e Feliz Natal com o Carmo Jovem no coração!

domingo, 20 de dezembro de 2009

Em tempo de Advento: Maria!

.

video

Maria, queremos amar-te! ____________________________________________________________ . Maria... ____________________________________________________________ . Somos todos teus filhos, queremos amar-te ____________________________________________________________ . como até hoje ninguém te amou. (bis) ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ . Contigo, na tua estrada, o nosso caminho é seguro, ____________________________________________________________ . contigo os nossos passos tocam a meta. ____________________________________________________________ . E mesmo na noite escura a tua presença nos guia, ____________________________________________________________ . transformas o nosso medo em confiança, ____________________________________________________________ . avé Maria... ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ . Queremos ser, ó Maria, a tua coroa de rosas, ___________________________________________________________ . uma coroa de filhos todos teus. ___________________________________________________________ . E volte, por nosso meio, a tua presença ao mundo. __________________________________________________________ . Como um canto sem fim de louvor __________________________________________________________ . és tu, Maria... __________________________________________________________ . [Música: Movimento dos Focolares] ~.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Reflexão I - III Entrefitas: Contacto

.
I. Se tivesses que traduzir este em filme em três palavras, quais escolherias?
As três palavras que caracterizam o filme são: Persistência, Futuro e Coragem.
~.
II. Escolherias alguma frase deste filme como máxima? Qual e porquê?
A frase máxima deste filme é: "Eu tive uma experiência que não consigo provar, não consigo explicar, sei que tudo aconteceu que tudo é real", porque muitas coisas ao longo da nossa vida acontecem sem conseguirmos provar ou explicar, mas que são reais.
.
III. “- Reverendo Joss, em que é que acredita? - Como pessoa de fé, rejo-me por leis diferentes das da Dra Arroway, mas temos os mesmos fins. A busca da verdade.”
Achas que ciência e religião podem viver lado a lado?
Na nossa opinião sim, pois ambas se completam.
.
IV. “Não achas que tiveste essa experiência porque uma parte de ti a necessitava?” - perguntou Ellie ao reverendo quando este lhe falou da sua experiência de Deus. Achas que a fé é algo que nasce de uma necessidade?
Sim, necessidade de não nos sentirmos sós.
.
V. “Vocês são uma espécie interessante… Uma mistura interessante…capaz de sonhos tão belos… e dos mais horríveis pesadelos. Sentem-se tão perdidos, tão isolados, tão sós… Só que não o estão. Segundo as nossas pesquisas, a única coisa que torna este vazio suportável é… os outros”.
Concordas com esta afirmação de Ellie sobre a viagem do pai no tempo? Porquê? Sim concordo, porque o ser humano é realmente interessante, capaz de sonhos belos, mas também capaz da sua própria destruição. Quantas vezes a solidão leva pessoas a enveredar por caminhos menos correctos, quando na realidade não está só.
.
VI. “Foi-me dado algo maravilhoso, algo que me mudou para sempre. Uma visão do universo que nos diz incontestavelmente que minúsculos e insignificantes, que raros e que preciosos somos todos nós. Uma visão que fazermos parte de algo maior que nós, que nenhum de nós está só. Gostaria de compartilhar com outros. Gostaria que todos, nem que só um momento pudessem sentir esse temor respeitoso, essa humildade e essa esperança.” Como comentarias o discurso final de Ellie?
É um discurso de mudança.
.
VII.Com qual das personagens te identificas mais?
Identifico-me mais com o Joss.
.
Zé Miguel e Alda Ferreira I Moinhos da Gândara
.

III ENTREFITAS, crónica de um servidor

.
Na agenda do Carmo Jovem, o III Entrefitas, que tinha como pano de fundo o filme “Contacto”, estava marcado para o dia 12 de Dezembro às 21h00, em Moinhos da Gândara. A comitiva de Viana era composta pela coordenadora do Carmo Jovem, a Maria João, a nossa Joaninha, o Frei João Costa e o Frei Marco Caldas, este último, nova aquisição do Carmo Jovem. Estes chegaram, pelas 20h30, mas não eram os primeiros. Já lá estavam os jovens de Moinhos, que nos acolheram depois das coordenadas telefónicas do Ricardo.
. À medida que íamos chegando, o espaço preparado era o que mais nos chamava à atenção. Estava um frio de “morte”, mas no espaço do encontro estava uma aconchegada lareira acesa onde nos podíamos aquecer. Ali nos fomos reunindo, os de Moinhos, Alhadas, Coimbra e Aveiro (com a surpresa do Sr António e D. Orquídea que chegaram um pouco mais tarde, mas chegaram e confraternizaram connosco). Ao todo éramos um grupinho de quarenta e quatro na “sala de cinema”. E, tratando-se de Entrefitas, o grupo que nos acolhia não esqueceu os bilhetes.
. Pelas 21h00, demos início à sessão com o testemunho vocacional do Padre Pedro Hoka, pároco e o nosso pastor por um dia (http://carmojovem.blogspot.com/2009/12/o-nosso-pastor-por-um-dia_13.html ). Depois de termos “esmiuçado” o Padre Hoka, aproveitámos o balanço para “esmiuçarmos” o frei Marco Caldas. Este contou-nos que era carmelita descalço, não era padre, mas desejava ser e que tinha 28 anos. Disse-nos que a sua vocação é resultado de uma escuta e respostas dadas às interpelações de Deus, que lhe foram feitas pelas pessoas que o rodeiam. Também nos contou que a vida do carmelita enquanto modo de viver relaciona-se directamente com as palavras e os exemplos de Jesus Cristo, isto quer dizer, com a sua vida e daqueles que ele chamou a segui-lo mais de perto, como é o caso do padre João da Cruz.
. Contou-nos que, a dada altura, ingressou na Ordem dos Carmelitas Descalços. Vivendo um tempo concreto de amadurecimento e discernimento da vocação, sempre inserido na vida comunitária, passou por Viana do Castelo, Moçambique e Marco de Canaveses. Durante esse tempo, procurou dar horizontes mais amplos à sua vida, descobrir o sentido da vida e as motivações da opção de vir a ser carmelita. Para isso, fez uma experiência importante de vida numa comunidade dos carmelitas descalços e de voluntariado, passando pelo Gabinete de Atendimento à Família – GAF e pela Missão de São Roque em Moçambique. Com o noviciado, um tempo de caminhada experimental, sentiu-se mais envolvido no estilo de vida carmelita pela qual fez a opção, começando a dar uma resposta pessoal ao chamamento do Senhor e exercitando o estilo de vida carmelita, através da oração, da vida fraterna e do trabalho intelectual e manual.
. A frequência do curso Filosófico-Teológico (2003-2008) introduziu-o na arte de pensar o ser humano e Deus. Deste modo, foi-se conhecendo melhor como homem de Deus. Em Julho de 2008, concluiu o curso e, actualmente, vive em Fátima. Para concluir, disse-nos que para seguir a Cristo fez a opção de viver livre de bens pessoais, disponível interior e exteriormente para acolher e servir os mais pobres e necessitados de ajuda.
. Após o interrogatório ao Frei Marco, a Sofia deu-nos a conhecer a vida de S. João da Cruz, carmelita descalço que juntamente com Teresa de Jesus reformou a nossa Ordem e cuja festa se celebrava dali a dois dias, 14 de Dezembro.
. A conversa ia adiantada, depois de conhecer os pastores e “candidatos a pastor” apagaram-se as luzes, ligaram-se as colunas de som (que até as janelas gemiam….) e…estabeleceu-se o “Contacto”. O filme tem como personagem principal da história a astrónoma Ellie Arroway, rigorosa, racional, que se baseia em teorias assentes na realidade, procurando o real para o compreender, explicar e até fazer previsões. Contrariamente, Joss, cristão, acredita sem ver. O fim do filme mostra-nos uma transformação da verdadeira cientista, Ellie. Apesar das suas certezas não serem fundamentadas em provas físicas, passando mesmo a ser consideradas alucinações por um tribunal, Ellie tem a plena convicção de que esteve noutro planeta e falou com o pai.
. Depois de assistirmos atentamente ao filme “Contacto”, podemos tirar uma entre muitas conclusões. No filme, é bem visível a relação entre o mundo crente e o mundo não crente. Ambos os mundos anseiam por atingir um objectivo: a verdade, a procura da verdade.
. A nossa cientista esteve presa nas rédeas do saber empírico, das provas. Mas a ausência de provas e uma experiência não comprovada levou-a a um acto de fé onde pôde fazer a experiência de Deus: “Foi-me dado algo maravilhoso, algo que me mudou para sempre. Uma visão do universo que nos diz incontestavelmente que minúsculos e insignificantes, que raros e que preciosos somos todos nós. Uma visão que fazemos parte de algo maior que nós, que nenhum de nós está só”.
. Depois do filme, passámos então à sessão do chá e aos bolinhos cuidadosamente preparados pelos anfitriões, que como sempre nos servem do bom e do melhor. Na mesa estavam também postas a amizade e a alegria de estarmos juntos e de poder conviver, e tão bem estávamos que o tempo passou sem nos darmos conta. Afinal, alguns iam fazer uma viagem, uns para Alhadas, outros para Coimbra, uns para Aveiro e outros ainda para Viana do Castelo. Sem dúvida: já tínhamos que regressar! Oramos pelo nosso pastor por um dia, entregámo-nos à protecção do nosso pai S. João da Cruz e demos aquele abraço do costume de… “Até ao próximo encontro.”
.
Um servidor

IV Domingo do Advento

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Advento

Maria, a Mãe por excelência,
ajuda-nos a compreender as palavras-chave do nascimento do seu Filho divino:
humildade, silêncio, enlevo e alegria.
Ela exorta-nos, sobretudo, à humildade,
para que Deus possa encontrar espaço no nosso coração,
não ofuscado pelo orgulho nem pela soberba.
Ela indica-nos o valor do silêncio,
que sabe escutar o canto dos Anjos e o vagido do Menino,
sem os sufocar no alarido e na confusão.
Juntamente com Ela,
deter-nos-emos diante do presépio com íntimo enlevo,
saboreando a alegria simples e pura
que aquele Menino traz para a humanidade.
[João Paulo II]

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Prémio Pessoa atribuído a D. Manuel Clemente

O padre e poeta José Tolentino Mendonça (director do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura) considera que a atribuição do Prémio Pessoa 2009 a D. Manuel Clemente distingue "uma das grandes testemunhas do nosso tempo": "D. Manuel Clemente é um dos pensadores mais originais e vivos deste tempo português e alguém que faz do pensamento um exercício de responsabilidade ética". Para Tolentino Mendonça, o magistério do Bispo do Porto "tem sido também um exemplo do que é o diálogo entre a fé e a cultura": "A mim toca-me sempre o modo como a cultura aparece no magistério de D. Manuel Clemente, não como um território de fronteira, que ele visita ocasionalmente, mas como o lugar por excelência onde ele inscreve a tradição cristã e o seu trabalho de pastor".
Tolentino Mendonça disse ainda que este é "um prémio importante, precisamente porque mostra a relevância do pensamento e da acção de D. Manuel Clemente não apenas para o espaço eclesial, mas também para o mundo da cultura. Ele é alguém de que a cultura tem necessidade".
postagem retirada daqui

Adonde te escondiste Amado?

Solenidade do Santo Padre João da Cruz

. .
«uma das almas mais puras que Deus tem em sua Igreja. Nosso Senhor lhe infundiu grandes riquezas da sabedoria celestial. Mesmo pequeno ele é grande aos olhos de Deus. Não há frade que não fale bem dele, porque tem sido sua vida uma grande penitência»…
[Santa teresa de Jesus]

Uma oferenda e entrega a Deus…

:

video

Deu-Lhe tudo, tudo, absolutamente tudo, nada reservou para si. Todas as coisas, mesmo as de pouco valor, quando as oferecia, Deus permanecia! Naquela última hora, quando a realidade se impôs, porque tudo teve de deixar, Deus, continuava a permanecer na sua terna e silenciosa alma… A meia-noite o iluminava, a hora do ofertório final, «O pássaro solitário» consagrava a sua grande alma, enquanto em seus lábios pronunciava: «Nas Tuas mãos Senhor entrego o meu espírito». Uma alma enamorada que se calava, com a certeza que valeu a pena viver em atitude de oferenda total, uma entrega que o conduziu à vida eterna. Deus, veio ao seu encontro, para se unir a Ele em abraço eterno, cheio de Divino Amor... O Amor amado, sem medida, sem medos da separação, adormecia em plena felicidade! Trocava as riquezas frágeis da terra pelas riquezas eternas do céu… o gozo de abandonar as trevas, para entrar no palácio da luz que não tem fim! A alma voava ao encontro de Deus… a quem muito amara e durante toda a sua vida se entregara. Oh! Triunfo definitivo, não de nada, mas da posse de Tudo… Oh! doce e feliz viagem para a casa de Deus! : :

FOTOS - III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

domingo, 13 de dezembro de 2009

O nosso pastor por um dia

.
Padre Pedro Hoka
.
O padre Pedro Hoka foi o pastor do Carmo Jovem por um dia. No dia 12 de Dezembro estivemos em Moinhos da Gândara no Entrefitas. Nesse dia Moinhos foi uma paróquia maior que muitas dioceses: chegou aos ribeiros de Alhadas, ao Penedo da Saudade, ao Monte de Santa Luzia e ao Jardim Houdinot!
.
O Padre Pedro Hoka tem 37 anos (nasceu no dia 2 de Março) e é o quarto de seis irmãos. Nasceu em Benguela, Angola.
O irmão mais velho andou no Seminário mas não seguiu em frente. Ou melhor, seguiu mas pelo caminho do matrimónio e do ensino. Na sua paróquia de origem foi na adolescência o secretário da Cruzada Eucarística, até ao dia em que uma missionária dominicana portuguesa de Calvão, Aveiro, a Irmã Manuela, reparou nos dotes e perguntou ao menino: — Não queres ir par ao Seminário? Ele pediu para pensar, e pensou. Pensou que valeria a pena «ir até ao Seminário ver se tinha vocação». E foi até ao Seminário de Benguela, quando a Irmã o queria levar para o Postulantado dos Dominicanos em Portugal. Não foi. Depois dos estudos secundários estudou, já no Seminário de Benguela, dois mais de Estudos Propedêuticos e três de Filosofia. Finalmente estudou mais quatro de Teologia em Luanda. Entre Benguela e Luanda ainda lhe entrou na alma a crise vocacional, mas foi sol de pouca dura.
Foi ordenado no ano 2000 e trabalhou no Lobito, na Paróquia do Sagrado Coração de Jesus, e por algum tempo viveu ainda integrado na comunidade dos Irmãos Pobres Servos.
Em 2002 veio para Portugal para acompanhar dois estudantes de Artes Gráficas da Diocese de Benguela. Findo o estágio ambos regressaram a casa, mas o Padre Pedro ficou. O seu bispo propôs-lhe uma especialização em Novas Tecnologias da Comunicação, mas inclinou-se pelo mestrado que está a concluir em Ciências da Educação, na Universidade Coimbra.
Já paroquiou em Macinhata do Vouga, Aveiro, e agora em Alhadas e Maiorca, Coimbra. Não se cansa de dizer que aprendeu muito com as comunidades a que presidiu e que muito mais se aprende quando a comunidade não é a de origem.
Tem saudades da sua diocese, a mais missionária de Angola. E também da sua família que deixou há sete anos. Como nunca os foi ver, por vezes escuta os apelos da mãe: «vem ver-me antes que morra». E talvez vá brevemente. Até por que também tem saudades das eucaristias que duram horas e dão tempo para a dança e o canto prolongados. Embora, também por cá, haja quem prometa dançar!
.

Outra e mesma Chama

São João da Cruz | Dia 9

sábado, 12 de dezembro de 2009

Quien podrá sanarme

III Domingo do Advento

Alegra-te, Carmo Jovem!

Alegra-te, Carmo Jovem, pequenina gotinha do bom Deus!
Alegra-te, pequenino restinho de orvalho, porque da tua pequenez se enamorou o Rei!
Alegra-te, porque o Senhor faz maravilhas nos pequeninos!
Alegra-te, porque por meio de ti inunda de graças lugares tão recônditos como a África negra, os nossos lares, universidades, aeroportos, hospitais, tribunais, escolas, lugares de lazer e de recreio.
Alegra-te com os jovens cujas ânsias são de silêncio e paz.
Alegra-te com os que dedicam ao estudo e ao saber.
Alegra-te com os que constroem um mundo novo.
Alegra-te com os que pela poesia iluminam as nossas horas.
Alegra-te com os comprometidos em testemunhar a fé às crianças e adolescentes.
Alegra-te com os que favorecem os demais.
Alegra-te com os que na causa pública servem os demais.
Alegra-te com os que silenciosamente amadurecem a sua vocação de consagração.
Alegra-te com os que partiram de nós e agora seguem os teus passos pobres, virgens e obedientes.
Alegra-te com os que rejubilam porque vão ser papás.
Alegra-te com os que sentem a vida a crescer à sua volta.
Alegra-te com os que fazem das suas horas um voluntariado desinteressado.
Alegra-te com os nossos sacerdotes, religiosos e religiosas.
Alegra-te com a Irmã Lúcia Maria da Imaculada Conceição que se consagrou solenemente ao Amor depois de «voltar para Aveiro, onde residia, e surgir a oportunidade de participar no Encontro Anual do Carmo Jovem, que se realizava no Santuário do Menino Jesus de Praga em Avessadas. O tema do encontro era “São João da Cruz, Pastor de Contemplativos”. Ressoou então na minha mente o cântico espiritual (canções entre a alma e esposo) de S. João da Cruz e o pensamento de S. Teresa de Jesus que vi na chave do quarto onde fiquei “Só o Amor dá valor a todas as coisas”.»
Alegra-te com os que eram nossos e o Pai recebeu no seu abraço terno.
Alegra-te, Carmo Jovem, porque quando Deus se enamora de nós nos engrandece à sua altura, largura e profundidade.

São João da Cruz | Dia 8

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Cântico Espiritual por Amancio Prada

Profissão Solene no Carmelo de Coimbra

.
Sempre a sorrir, sempre feliz!

A Irmã Lúcia Maria da Imaculada Conceição fez a sua Profissão Solene no Carmelo de S. Teresa de Coimbra, no passado dia 8 de Dezembro, Solenidade da Imaculada Conceição, pelas 16 horas, no decurso de uma belíssima celebração presidida pelo Provincial dos Carmelitas, Padre Pedro Ferreira. A Profissão Solene é um compromisso para toda a vida, um entregar tudo ao Tudo; por isso, foi com grande júbilo que se uniram a esta festa a Comunidade das Carmelitas, os familiares, amigos, oito sacerdotes, muitos fiéis leigos e o Carmo Jovem.

A Irmã Lúcia Maria fez a Profissão Solene nas mãos da Madre Celina de Jesus Crucificado durante a Eucaristia. A liturgia foi celebrada com muito zelo e exultação, demonstrando, assim, todo o amor à vida religiosa contemplativa.

O Movimento Carmo Jovem caminhou e caminhará, tendo presente a pertença da Irmã Lúcia ao Movimento. Recordamos a sua presença no X Horeb, no Santuário do Menino Jesus de Praga em Avessadas. A sua alegria, o seu sorriso, o seu viver em autenticidade e a sua naturalidade não nos foi nem nos é indiferente.

Damos graças a Deus pela riqueza de mais este Dom. Certos estamos que rezará pelos jovens do Movimento, por que a comunidade de Carmelitas é uma comunidade de amor no meio do mundo!

São João da Cruz | Dia 7

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Ó Chama de amor viva!

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

-Contacto-
Moinhos da Gândara
12/DEZ/2009
20H30

Evocação da Morte de São João da Cruz

video

O Grupo de Jovens Stella Maris juntamente com o Grupo Coral Musica Calada, vem por este meio convidar para a Evocação da Morte de S. João da Cruz que realizar-se-á no próximo sábado, dia 12 de Dezembo, pelas 21h30 na Igreja Stella Maris dos Padres Carmelitas.
.
. Esta Evocação vem dar a conhecer os últimos momentos de vida deste Santo Carmelita.

All souls night (Loreena McKennitt)

São João da Cruz | Dia 6

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

“Foi-me dado algo maravilhoso, algo que me mudou para sempre. Uma visão do universo que nos diz incontestavelmente que minúsculos e insignificantes, que raros e que preciosos somos todos nós. Uma visão que fazemos parte de algo maior que nós, que nenhum de nós está só. Gostaria de compartilhar com outros. Gostaria que todos, nem que só um momento, pudessem sentir esse temor respeitoso, essa humildade e essa esperança.”
-Contacto-
Moinhos da Gândara
12/DEZ/09

São João da Cruz | Dia 5

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

Entre as fitas de um filme, um encontro:
Moinhos da Gândara
12/DEZ/09

São João da Cruz | Dia 4

Maria, alegremo-nos contigo!

video

Maria, mulher peregrina da fé…

que procuras-te os vestígios de Deus no meio de densa luz,

a força do Espírito Santo em ti resplandeceu

e o verbo de Deus em ti germinou!

Oh! Projecto de Deus amado, de coração imaculado,

ensinai-nos a escutar a Verdade, aumentai a nossa fé,

e fazei-nos portadores dos caminhos da esperança

no meio da humanidade!

Oh! Resplendorosa flor do Carmelo,

aplanai a nossa alma, enchei-a de decidida força,

para que saibamos esperar-vos e entregarmo-nos

na via de imensurável formosura que atrai o coração do Homem…

Oh! Cheia de misericórdia, mulher de sublime amor.

Alegremo-nos contigo, Maria!

Ponhamo-nos a caminhar, neste terno tempo litúrgico!

Ámen.

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

Somos mais felizes…enquanto raça humana? Será que o mundo é basicamente melhor…devido à ciência e à tecnologia? Fazemos compras ao domicílio e navegamos na Web…mas ao mesmo tempo sentimo-nos mais vazios…mais isolados uns dos outros, do que em qualquer outra época da história humana. Tornamo-nos uma sociedade artificial…
- Contacto -
Premiações: Recebeu uma indicação ao Óscar de Melhor Som;
Recebeu uma indicação ao Globo de Ouro, Melhor Actriz em Drama, Jodie Foster
Moinhos da Gândara
12/Dez/09

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Crónica de um serviço

Trrrimmmmmmmmm…
Assim começava a aventura. Era a Madrinha Alice ao telefone a perguntar a minha disponibilidade para me deslocar até Guadalupe, Alhadas, Figueira da Foz, no fim-de-semana 4 a 6 de Dezembro. Disponibilidade para dar o meu testemunho de como fui chamada à missão e o que significa para mim: «Ser Jovem para servir». Eis os temas que congregariam um pequeno grupo de jovens acólitos, familiares e amigos em Alhadas neste encontro. Encontro organizado pelo André e pela Mariana, jovens com um enorme coração para caminhar e servir. (De futuro também os veremos nas actividades do Movimento Carmo Jovem).
Sexta-feira, 4 de Dezembro
Depois das tarefas distribuídas e do encontro organizado em trocas de e-mails e alguns telefonemas eis-me a caminho para servir… Cheguei a Alhadas pelas 19h30 do dia 4 de Dezembro. Esperava-me a Alice e o Nuno. Após o jantar, eis-nos a caminho da capela de Nossa Senhora da Guadalupe. Longe estava de pensar a familiaridade que me uniria àquelas gentes. 21h, o André encontrava-se no exterior da capela a (re)organizar tudo com muito gosto e requinte. Ninguém tinha ainda chegado. Pouco a pouco reunimo-nos naquele espaço de enorme simplicidade e beleza. A noite estava fria, a chuva cai… e nós? Nós, refugiávamos aos pés da Mãe. Após estarmos reunidos, aconchegados, foi o momento das apresentações e de darmos testemunho de como fomos chamados à missão: A Alice Montargil, o meu, o do Padre Pedro (pároco de Alhadas), e da catequista do André. No fim acabaríamos todos por falar e testemunhar. As horas passam depressa, depressa chega a Meia-noite! Terminaríamos fazendo uma breve oração, partilhando umas fatias de bolo e bebendo um sumo.
Sábado, 5 de Dezembro
A manhã iniciou às 9h, na Capela. Após a apresentação fui convidada a iniciar o tema: «Ser jovem para servir». Como está ainda fresco na memória o Ano Paulino, iniciei a minha apresentação com uma música de Sara Tavares: Escolhas. Canção extraída da Bíblia. Onde é citado o Apóstolo São Paulo. Pouco a pouco, com quadros sucessivos guarnecidos com os Santos Carmelitas ia desfolhando a Sagrada Escritura. A Palavra de Deus ecoou em quantos se esforçaram para me ouvir com ouvidos capazes de escutar: «Não seja assim entre vós. Pelo contrário, quem entre vós quiser fazer-se grande, seja o vosso servo; e quem no meio de vós quiser ser o primeiro, seja vosso servo. Também o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida para resgatar a multidão.» (Mt 20, 26, 27). Para além dos novos amigos lá encontrei a Teresa Romeiro e a Sofia Simões de Moinhos da Gândara (da Coordenação do Movimento Carmo Jovem). Depois da escuta surgiram as perguntas, intercaladas com testemunhos de realidades actuais. Demos lugar à Sissi, uma outra jovem missionária da Consolata que nos falou da sua experiência em terras de missão. Fazíamos um compasso de espera e bebíamos da «fonte que mana e corre». Eucaristia, expressão máxima da festa, pois do sacrifício parte a ressurreição. Resplandecia o crucifixo no cortejo de entrada. Ouvíamos as palavras do padre Pedro que incentivava a nunca desistir de caminhar, a nunca perder a esperança de evangelizar e de propagar a certeza do viver n'Ele. Aqui está o serviço, aqui reside o nosso ser jovem, servindo a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Partimos por fim para o almoço, para nos reunirmos novamente pelas 15h para ouvirmos e o Dr. Jorge Biscaia e debatermos: a eutanásia. Após o jantar, regressávamos… Eis o momento da vigília. Eis o momento dos amigos se reunirem numa noite de luz, noite de vida. Fomos convidados a parar e a permanecermos na presença «de Quem sabemos que nos ama». Fizemos silêncio, tranquilizamos o muito que trazíamos dentro de nós… Terminada a vigília, eis um convite: caça ao tesouro. Caça ao tesouro? A esta hora? E o frio? E a chuva? E as lanternas? Eram 22h30, quando partimos em grupos para a aventura dos caminhos nocturnos. Partimos para descobrir, posto a posto um dos maiores tesouros: a juventude. Eis o tesouro encontrado. O dia ia bem longo quando as luzes se apagaram para descansarmos…
Domingo, 6 de Dezembro
Desta vez o despertador foi a chuva: como chovia! Ainda assim, ninguém teve preguiça! Um após outro chegámos à igreja matriz de Alhadas para ouvirmos a explicação da Madrinha Alice sobre aquele templo. Ao bater das 12h00 nos sinos todos os grupos paroquiais se congregam na Igreja: grupo de catequese, grupo dos acólitos, escutistas, comunidade em geral. Todos nos seus lugares para participar na Eucaristia, muito alegre e vivida. Todos fazíamos festa. Em nossos corações cantava-se a alegria. Acima dos nossos interesses pessoais colocávamos o mandato de Cristo – o de anunciar o Evangelho. Em silêncio, concluía em mim que só pode anunciar quem O conhece e quem O vive; e Ele é exigente, mas paga «cem por um» e neste fim-de-semana tinha nesta Eucaristia a certeza que fui (fomos) largamente compensados! A refeição aproximava-nos e trazia ao de cima a unidade fraterna. (Perguntavam-me: então este ano o Movimento não passa por cá na peregrinação a Fátima?). Após o almoço no Centro de Alhadas, partimos para a Capela de Guadalupe para encerrar o encontro. As palavras do André foram guarnecidas pela alegria que trazia em si. O seu coração estava cheio, a transbordar. Nesta tarde a fé enchia-nos. A Teresa Romeiro, entregava ao André a faixa do Movimento Carmo Jovem, convidando-o a caminhar com o Movimento nas próximas actividades… Muitas palavras se disseram, muitas se calaram em nós… É bom partilhar tarefas e anseios na promoção do verdadeiro Amor. A gotinha do Movimento jorrava no olhar de quem ainda não o conhece bem. O tempo faz-se pouco, a festa continuou num lanche, eu tinha que regressar, o tempo chuvoso continuava… No caminho de regresso não deixei de encontrar lugar para continuar o diálogo. Durante o percurso, a chuva era cada vez mais intensa, estava a ser inundada e recordava o padre Hermann Cohen: «fui inundado de graças durante o tempo de silêncio». Cheguei a Viana pelas 19h30 e continuava a chover; eram mensagens dos jovens, de novos amigos encontrados, de amigos (re)conhecidos… Todos estamos de parabéns! Obrigada a todos por todos os esforços, alegria e amor a Jesus e à sua Igreja! Que continuemos a dar aos outros: quanto mais dermos mais receberemos. Devemos sentir-nos orgulhosos do nosso contributo. Sem sacrifício nada se faz, mas com boa vontade tudo se consegue. Não nos esqueçamos que o que torna a Igreja actual é a santidade dos seus membros pela união ao Senhor. Somos nós. Sou eu, és tu… A semente foi lançada e semeada. A possibilidade de deixar que cresça está em cada um de nós... André, Mariana, Helena, Hugo, Bruno, Joana… Nós esperamos por vós. Ele espera por vós!... Ele chama-vos a servirdes a Sua grande família que é a Igreja. E por fim termino como terminou a vigília de oração: «A alma que anda em amor não cansa nem se cansa».
Não vos canseis nunca!
Até breve.
Verónica Parente, apóstola por (mais) um dia

São João da Cruz | Dia 3

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA - 12|DEZ|09

"CONTACTO"
um filme de Robert Zemeckis
Actores: Jodie Foster; Matthew McConaughey; Tom Skerritt; Jena Malone; David Morse.
MOINHOS DA GÂNDARA - 12/DEZ/09

domingo, 6 de dezembro de 2009

São João da Cruz | Dia 2

Um (re)conto...

Durante o Kerit, um dos temas que foi abordado, foi o do Perdão. Entre muitas outras coisas, o Frei Vasco partilhou connosco este pequeno conto que agora é postado, para que outros possam também ler e reflectir.
Conto-vos uma história:
«Em certa ocasião, um jovem de uma aldeia teve que viajar até à capital. Enquanto ia em grupo, e sem ele se dar conta, alguém tirou-lhe o mais valioso que tinha: um relógio que seu pai lhe havia oferecido com muito sacrifício antes de morrer. Quando se deu conta, o seu coração encheu-se de uma grande amargura e sentiu um profundo ódio pelo desconhecido que lhe tinha tirado o seu valioso tesouro.
A partir desse momento, os seus pensamentos centraram-se no anónimo ladrão. Pensava nele dia e noite, odiava-o com todo o seu coração, e o seu rancor crescia cada vez que tinha de ver a hora no outro relógio mais pequeno que agora usava. Havia noites em que não dormia de raiva e de impotência. Tornou-se irritadiço e iracundo com a sua própria família. Até que um dia, angustiado por tanto ressentimento, fez esta oração:
«Senhor, já não posso continuar assim. Por isso quero perdoar a esse ladrão que levou o meu relógio. Mais ainda: quero oferecer-lhe o meu relógio. De tal modo que, quando esse ladrão morrer, Tu não o julgues por este roubo, porque não houve roubo nenhum. Eu já lhe ofereci o meu relógio».
A partir desse dia, o jovem foi feliz. Recuperou a alegria que durante meses tinha perdido, porque não voltou a trazer à sua memória aquele facto torturante. E desde então pôde viver em paz».
(Autor anónimo)
Conclusão: Perdoar é sacudir da mão uma brasa acesa, em que pegamos estupidamente nalgum momento da vida, e que nos queima e nos tira a vontade de viver. Pelo contrário, a falta de perdão é capaz de nos deixar doentes, envenenar-nos e tornar-nos maus.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

III ENTREFITAS - MOINHOS DA GÂNDARA 12|DEZ|09

Foi no I Kerit

Vivemos mais uma actividade do Carmo Jovem. Com muita alegria. Com muitas amizade. Felizmente nem tudo é igual, pelo que se umas vezes caminhamos e cansamos, outras vezes paramos e descansamos junto do Mestre. Foi o que fizemos. Com muito gosto. Num fim de semana intenso. Um ano depois doutro intenso Kerit. E para o confirmar houve carta do Ricardo Luis
+
Às Gotinhas do Carmo Jovem em Kerit.
Jesus.
A graça do Espírito Santo esteja com os Gotinhas e com todo o Carmo Jovem.

Há um ano atrás estava no meio de vós. O meu coração trazia o Carmo Jovem no coração mas outros carminhos chamavam-me, a Vida Religiosa. No final do I Kerit o Frei João convidou-me a falar. Entre vós, pensava-se, vamos ter segunda homilia! Foi então o momento de partilhar convosco aquilo que seria a partir de Janeiro seguinte o meu novo carminho, a minha opção de vida: a entrada na Ordem dos Carmelitas Descalços. Um ano passou, e depois de ter estado, entre Janeiro e Agosto, no local onde vos encontrais neste momento, Convento e Santuário do Menino Jesus de Praga de Avessadas, estou agora no Noviciado no Desierto de Las Palmas em Espanha. Conheci essa Casa com 15 anos, num encontro do Grupo de Jovens de Caíde de Rei. Estava a dar os primeiros passos num grupo. Desde aí, foram muitos os encontros, retiros, carminhadas, acampamentos em que participei. Agora, encontro-me a 1.000 km fisicamente de vós, mas tenho-vos no coração, pois sempre me acarinharam muito. Há um ano, no final da Eucaristia, cada um, deu-me um abraço, um forte abraço. Os abraços dão-nos força e coragem para fazer carminho, enfrentar obstáculos e saltar as pedras que nos vão aparecendo no carminho. A cultura moderna em que vivemos grita-nos: “desfruta”; “é rídiculo”; “porquê?”. A verdade é que agora que não há respostas fáceis nem seguras sobre o futuro, buscar a Deus dá à vida uma força nova. A imersão em Deus é a única razão absoluta que faz com que outras motivações da vida — amor, dinheiro, êxito pessoal,... — passem a segundo plano. É o que me/nos dá força a cada dia e, por isso, ultrapassamos perdas, alterações, esforços na vida. De outro modo não teria sentido. Durante o Postulantado no Convento do Menino Jesus de Praga, o pastor por um dia do Carmo Jovem, o superior da comunidade, Pe Agostinho dos Reis Leal, recordava-me em vários momentos que não deveríamos imitar nem seguir a ninguém. Seguir só a Deus! Ao longo do Kerit tivestes, espero, a oportunidade de vos encontrardes com Ele. Recordai, Gotinhas, que é possível não separar aspectos que parecem contrários na vida: Deus e mundo; sagrado e secular; oração e acção; mundo íntimo e comunhão. É uma pena, por vezes, que os jovens não saibam descobrir e ver a Deus nas realidades humanas e acontecimentos actuais e que para falar de Deus, escutar a Deus, perceber a Deus, nunca haja tempo. Mas vós tivestes tempo! Como Carmelitas Descalços que somos, o silêncio é uma coordenada chave. O silêncio não é ausência de ruído. Santa Teresa de Jesus, diz-nos nos seus escritos: “Aprender o silêncio e a solidão é muito bom para a oração. O silêncio ensina-nos a viver por dentro.” O Kerit é para isto mesmo. Espero sinceramente que tenhais conseguido este desiderato. Aqui, no Desierto de Las Palmas, já decorreram três meses desde a tomada do hábito, a 4 de Setembro. Tem sido um tempo aproveitado, essencialmente, para submersão e encontro com Deus. Faço votos que neste II Kerit tenhais sido “inundados de graça durante o tempo de silêncio” (Padre Hermann Cohen). Abraço-Vos de coração, meus amigos e gotinhas do Carmo Jovem. Podeis estar seguros do carinho deste pequeno irmão:

Ricardo Luís de Santa Teresinha

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Crónica do II Kerit - Retiro de silêncio

O despertador tocou cedo e num pulo saltei da cama, um friozinho no estômago, como quando partimos para os primeiros passeios da escola. Afinal tratava-se de um (re)encontro com um Amigo, especial, muito especial. Esperava-me uma pequena viagem de comboio no final da qual me aguardava a minha boleia (da minha mana de coração). Partimos do Porto às 8:30 de sábado, rumo a Avessadas. O dia estava cinzento, alguma chuva que nos atrasou e a conversa que corria em torno dos detalhes deste (re)encontro.
. 9:15 – Avessadas.
Corremos para o refeitório onde os restantes dez amigos do Pai já aqueciam o corpo com uma chávena de leite com café. No refeitório do Convento um cheiro antigo a café de saco, lembrei-me da minha bisavó, do seu café e daquele cheiro. Um bom dia geral, uma chávena de café e um pão com geleia (que delícia) e avançamos para a oração da manhã.
Éramos 12 amigos do Pai mais o nosso guia até ao Pai (Pe. Vasco). Ao longo das orações fomos escutando uma passagem do Livro dos Reis, sobre Elias e a sua experiência do Kerit. Foi tão importante para mim durante este Retiro que acabei por eleger esta leitura como o meu resumo deste Encontro (I RS 17 -1-16).
A seguir à oração da manhã seguiu-se o tema apresentado pelo Pe. Vasco (A graça do Amor e do Perdão). Palavras íntimas, sábias e reflectidas. Catequese e partilha. Um (re)visão de matéria, com detalhes e pistas para a reflexão que se seguiu a sós. Escolhi a mata para me recolher. Há algo de mágico naquele espaço, que me transporta sempre para as minhas memórias, que me ajuda a voltar para dentro, a recolher, a desligar, e partir até Ele. Uns pingos grossos de chuva e um frio que cortava arrastaram-me de novo para debaixo de telha. Recolhi-me na capela a meditar naquelas palavras, na graça do Amor e no que tal supõe e prendi-me à minha experiência de amar e ser amada. Recuei à minha infância e a momentos muito felizes. Mas as palavras do Pe. Vasco desafiavam-me a uma reflexão no presente, a perceber a grandeza e exigência desta graça que é o Amor. Porque amor é dar-se, é servir, é provar o amigo, é perdoar…
Desci para o almoço no refeitório. Eu não sei explicar, mas toda a comida ali tem um sabor tão delicioso, tão bom… Saciamos o estômago, despertamos no calor de um café que o Pe. Alpoim dedicadamente nos serviu e partimos para uma nova reunião entre amigos. Preparamos o que viria a ser o resto da nossa tarde: a exposição e adoração do Santíssimo. Cada um deveria permanecer com Ele durante meia hora, alternadamente, acompanhando-o naquela tarde de silêncio sonoro. Partimos todos para a capela onde Jesus seria exposto para O adorarmos, e rezarmos, e comungarmos. Porque a oração é isso mesmo, uma conversa íntima com o Pai. Alguém soltou esta frase ‘Mira que te mira’. Esta frase ecoou toda a tarde nos meus ouvidos. Ali permanecemos, alternadamente. Optei por me recolher naquela capela, não senti as horas avançarem, dentro de mim uma inundação de sentimentos, de memórias… de Graças. Desliguei os meus sentidos, encolhi-me no meu coração e parti para aquele encontro. Foram horas tão vividas, tão partilhadas, com Aquele que nos Ama. Sem interrupção partimos, já todos reunidos, para a oração de vésperas, com mais um excerto da passagem de Elias e um momento de partilha entre todos.

Sim, porque este retiro é de silêncio mas também de partilha, nem sempre com palavras, mas também com gestos, com risos e abraços. Com troca de experiências, porque como qualquer grupo de amigos, estes 12 falaram de si e das suas experiências.

E assim regressamos ao refeitório, para mais um delicioso jantar. Seguisse mais um momento de oração, aquecidos à lareira das Palavras de Deus e da sua luz. Juntaram-se a nós outros carminhantes de Rosém.

Mas também o corpo queria trato, e veio um chá quentinho, umas bolachas docinhas e um pão de Alhadas, que só de pensar me cresce água na boca. Obrigada, Teresa. A noite já crescida chamou-nos ao descanso. Coração cheio de Graça, de sentir. Dormi profundamente.

Novamente o despertador. Saboreei o som da chuva na janela e parti para o banho. O dia começava com a oração de Laudes na capela. Novamente Elias, e divulgação do mistério do Kerit.
Às 9h, novamente aquele cheiro ao café das minhas memórias. Um pequeno-almoço demorado, como nem sempre podemos, a saborear o alimento e a conversa entre amigos. Que delícia na alma.
Houve ainda tempo para uma reflexão / avaliação do encontro. A reflexão em voz alta ou silenciosa de cada um, sobre aquelas últimas horas. E acho que não me engano, cada um de nós foi tocado pelo Pai e deixou-se tocar. Os rostos estavam renovados, alguns refrescados das lágrimas que teimam em aparecer, porque falamos de nós, da vida e de Deus. Remexemos em nós, calamos o exterior e deixamos que no nosso interior rebentem todas as torrentes.

Ensaiamos os cânticos da Eucaristia e aguardamos a chegada do Frei João que presidiu à nossa Eucaristia. Às 11:30 subimos à capela e celebramos a nossa Eucaristia. Confesso que em todos estes anos, este é sempre um momento muito especial, é a ‘cereja no topo do bolo’, o melhor resumo, a melhor comunhão. E foi tão especial. Fomos presenteados com um miminho do Amigo Ricardo, que do deserto ecoou a sua voz nos nossos corações.

Aproximávamo-nos do fim (ou de um recomeço), ainda com tempo para mais um excelente almoço. Ai que saudades daquela comidinha. Obrigada!
No final um café para nos desapertar para o caminho e a já habitual e imprescindível ‘Foto de Família’.

O caminho de regresso ainda era longo e tínhamos de partir. É tão duro, tão difícil regressar. Mas tinha de ser.

Veio a despedida. Muito obrigada a todos e cada um. São pessoas lindas, foram horas tão boas, foi um silêncio tão sonoro em mim, tão rico. Obrigada ao Frei Vasco e ao Frei João. Carminhemos agora, um pouco mais fortes, mais capazes, mais confiantes… Um abraço amigo.
Animem-se no caRminho!
.
Joana Rocha I Esmoriz